Quarta do livro: Extremamente alto e incrivelmente perto

0
642

Desde o dia 7 de setembro, dia que eu terminei de ler o livro “Extremely Loud & Incredibly Close“, que eu penso em como fazer esse post. Como pilha dos “lidos” só aumenta, decidi escrever de vez e seguir meu coração.

capa_extremely-loud-incredibly-close-copy

Não sei vocês, mas tenho certa dificuldade de falar sobre coisas que mexem comigo. E essa obra de Jonathan Safran Foer me comoveu como há muito um livro não me envolvia. Então vamos lá, porque o meu objetivo é fazer você terminar esse post e correr pra livraria! 😀 O livro chegou por aqui pelo Brasil com o título traduzido ao pé da letra: “Extremamente alto e incrivelmente perto“. Ele traz a história de Oskar Schell, um menino de 9 anos que se apresenta como “desenhista de jóias, astrofísico, estudante de francês, tocador de pandeiro, ator Shakespeareano, pacifista e inventor de maravilhosas invenções fantásticas”.

pag-2_extremely-loud-incredibly-close

A história gira em torno de um mistério: após a morte do pai durante o 11 de setembro, Oskar encontra uma chave dentro de um envelope, que tinha escrito a palavra “Black”. Visto como uma mensagem do pai, o garoto segure em uma incansável (e bastante calculada) busca pela fechadura do “tesouro” – e por, talvez, emoções e um último contato com o pai.

pag-1_extremely-loud-incredibly-close

Pode parecer infantil, mas a história é um emaranhado com personagens profundos e elaborados, como sua avó, sua mãe e, principalmente, seu avô. É cheia de sentimentos e pensamentos que parecem reais, já que as narrativas se “emaranham”. Sabe quando tudo é narrado com muita delicadeza e sutileza? Extremamente envolvente, a obra lhe transporta para uma NY de pessoas, fazendo você pensar nas diferentes histórias que cada um carrega e como isso é encantador! Vale também destacar os detalhes do livro, como as ilustrações e as fotografias.

filme_tao_forte_2402doze

Lançado em 2005, o livro foi adaptada para o cinema em 2011 e chegou por aqui com o título “Tão forte e tão perto”. Tenho algumas ressalvas para a versão cinematográfica, mas vou deixar no ar pra não estragar nadinha. A minha dica é ler o livro e, só depois, assistir o filme. E sim, já to atrás de outras obras do autor!

jonathan-safran-foer

E vocês, têm lido o que?