As belezas de Aracati e seu II Festival de Gastronomia

0
114

penteadeiraamarela_aracati_bonecosgigantes

No último final de semana rolou o II Festival de Gastronomia de Aracati, criado pela prefeitura da cidade em busca de fortalecer o comércio local, aumentar o número de visitantes e promover um intercâmbio entre restaurantes e produtores rurais. Eu tive a grande oportunidade de conhecer a cidade e o festival de perto e conto aqui a experiência. Já adianto: você vai terminar com vontade de visitar Aracati!

Pôr do sol para começar

A viagem começou na quinta-feira e a primeira parada foi a Barraca Areial, que fica às margens do rio Jaguaribe e além dos petiscos deliciosos, aos sábados tem apresentação de saxofone ao vivo com o músico Sandro Guimarães ao pôr do sol. Não era sábado, mas fomos presenteados com o som do sax, o visual maravilhoso e os petiscos que a proprietária Ana Paula nos apresentou.

Pratinho de creme de camarão, arroz branco e farofa
Pratinho de creme de camarão, arroz branco e farofa

Esta noite fomos ao primeiro dia do Festival, momento em que conheci toda a sua estrutura, com 26 stands de gastronomia, artesanato local e das proximidades, e espaço dos produtores locais. Comi um pratinho bem reforçado com creme de camarão, arroz branco e farofa, na Lanchonete Universitária. E conheci o stand da Associação dos Artesãos de Majorlândia, e as senhoras maravilhosas que fazem artesanatos em filé, crochê, ecobags e até sabonetes artesanais. Adorei a ideia do algodão permanente feito de crochê – mostrei nos stories do nosso Instagram – e comprei um sabão artesanal de argila branca.

 

Dia de praia

2018-11-16 18_20_49.891

Na sexta foi dia de conhecer mais lugares por perto, começamos com uma água de coco no restaurante Antônio Coco, em Canoa Quebrada, onde chegou uma senhora vendendo óleo de coco artesanal com urucum e cenoura, ideal para usar na hora de pegar sol – por cima de uma camada generosa de protetor solar! – e eu comprei uma garrafinha por R$ 20.

Óleo de coco, urucum e cenoura
Óleo de coco, urucum e cenoura

Depois de lá seguimos viagem para o Cumbe, onde conhecemos um verdadeiro paraíso, o restaurante Paraíso Arriégua, que além de disponibilizar transporte em buggys e carros 4X4 até lá – por ser no meio das dunas, o acesso só é possível em carros assim -, tem lounges e acomodações super confortáveis e convidativas, rodeadas por duas lagoas, uma mais rasa, usada para atividades como o caiaque e outra mais funda, melhor para banho. Mas as duas com água doce, calma e quentinha, que te garanto, depois de entrar vai ser difícil querer sair! O visual e o conforto se completaram com o atendimento incrível e as comidas deliciosas, provamos queijo e camarão empanados e isca de peixe, tudo muito gostoso.

Para terminar o dia conhecemos a Pousada da Berê, em Quixaba. Uma casa de praia que virou pousada, onde tivemos a oportunidade de tomar um café com os donos, Berê e Máximo, contando suas histórias e como foram parar ali. Vista maravilhosa; casa extremamente linda e aconchegante, com quartos grandes, salas de estar, salão de jogos e cozinha aberta; jardim bem cuidado e cheio de flores à beira da piscina. Posso até tentar descrever o quanto nos sentimos bem ali, mas só conhecendo ao vivo para saber!

A diária da pousada custa R$ 350 para o casal, com café da manhã; um grande diferencial é que você pode usar a cozinha sempre que quiser, ela é aberta aos hóspedes, a única regra é convidar os donos, mas não se preocupe, você vai querer convidá-los! Se quiser ir com um grupo, eles também alugam a casa inteira, por R$ 2.500 para 20 pessoas em camas, mas se quiser levar mais gente, tem rede e colchões, é só combinar direitinho com a Berê! Nesses casos não tem café da manhã, mas a equipe da casa fica à disposição, basta levar os ingredientes, que eles fazem tudo. Olha lá as redes sociais deles e cuida, que ainda tem vaga para o reveillon.

 

Drinks com projeto social

Paella da chef Marie Anne
Paella da chef Marie Anne

Na nossa última noite pudemos provar uma paella feita pela chef Marie Anne, do restaurante Le Marché e também os drinks feitos pelos alunos da Escola de Ensino Profissional Professora Elsa Costa Lima. A escola funciona em tempo integral, os alunos fazem o ensino médio junto com o curso técnico em Enfermagem, Informática, Administração ou Hospedagem – esse último é onde eles aprendem a fazer os drinks!

Os alunos e a diretora da Escola Profissional
Os alunos e a diretora da Escola Profissional

Segundo a diretora da escola, Márcia Porto, o objetivo é inserir os jovens no mercado de trabalho e na universidade, trabalhando sua integralidade, transformando os alunos em profissionais com cunho social. Márcia destacou a importância deles participarem do Festival, pois a oficina de drinks oferecida para população foi o trabalho de conclusão de curso dos alunos de Hospedagem e Hotelaria; cada curso deve apresentar um projeto social na conclusão.

Uma caipirinha feita pelos alunos na oficina
Caipirinha feita pelos alunos na oficina

A aluna Larissa Costa afirma que o curso é ideal para eles, que moram nessa região turística, e falou da importância da escola para ela e seus colegas, bem como para o turismo de Aracati, que está crescendo e agora além de mais profissionais capacitados, tem mais demanda, garantindo novos empregos.

 

City tour para terminar

No sábado já era dia de irmos embora, mas não sem antes fazermos um city tour pela cidade, começando pelo Centro de Artesanato, com bolsas em palha, espelhos e cortinas de conchas, garrafinhas com desenhos em areia colorida, rendas, crochês e artesanatos com palha de coqueiro de vários formatos. Depois partimos para conhecer o centro histórico do Aracati, iniciando na Igreja Matriz da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos, seguida pela dos Homens Negros e a dos Homens Pardos Livres. Parada na Cruz das Almas, que deu início à Vila do Aracati e a um dos nomes que a cidade teve, com direito a picolé da Sorveteria José de Sofia, tradicional da cidade.

Para terminar o passeio lindo, tomamos um suco na Casa Ponciano, comandada por seu Fernando, filho do Ponciano, que é famosa por seu suco de tamarindo. A receita é um segredo de família, mas dizem que é afrodisíaco, quem encara? Eu encarei e achei delicioso, mas a parte do afrodisíaco acho que não bateu por aqui hehehe.

Grupo bonito que esteve junto nessa viagem
Grupo bonito que esteve junto nessa viagem

Fiz ainda um vídeo rápido pra mostrar um pouco da viagem:

E aí, gostou? Já está planejando ir à Aracati?

 

Deixe um comentário