Moda cearense para o Brasil e o Mundo

0
260
Ceará Fashion Trade- Feira Internacional de Negócios da Moda
Ceará Fashion Trade- Feira Internacional de Negócios da Moda

Desde que me tornei mãe, minha profissão ficou um pouco de lado, mas sempre que notícias do setor aparecem, tento ficar ligada. Por isso que a Ceará Trade Fashion – Feira Internacional de Negócios da Moda, que aconteceu nos últimos dias 16 a 18 de agosto, me chamou atenção. A feira aflora do Projeto Ceará Moda Contemporânea (CMC), cuja a primeira edição ocorreu em abril de 2016.

Ver a moda Made in Ceará ter a oportunidade de uma interação comercial com empresas do mercado nacional e internacional me faz acreditar que a crise, apesar de uma realidade, é contornável para quem trabalha! Além disso, o Ceará acaba por se consolidar como polo confeccionista brasileiro. Sim, somos tudo isso! (E muito mais).

Nossa veia criativa forte já é demonstrada em outros eventos que hoje estão no calendário nacional de moda, como o Maxi Moda (que acompanhamos de pertinho) e o DFB Festival (antigo Dragão Fashion Brasil). No Ceará Trade Fashion, de um carácter mais business to business, foi possível intermediar a venda antecipadamente de coleções das marcas cearenses. No evento foram apresentadas as coleções futuras e compreendida a ação see now buy now (uma forte e atual tendência comercial, sendo considerado por alguns como o Futuro da moda).

Participaram do evento compradores de multimarcas, magazines, lojas especializadas e atacadistas internacionais e nacionais, e representantes comerciais autônomos, tornando, para varejistas e atacadistas, uma oportunidade incrível de se mostrar e expandir seus nichos de mercado.

Estiveram presentes no evento setores como feminino, masculino, infantil, moda íntima, praia, fitness, surfwear, jeanswear, calçados e bolsas, serviços, acessórios, têxtil e aviamentos do ramo de atacado e varejo. Para entender a importância do evento, conversamos com três marcas que nós da Penteadeira Amarela adoramos: Jinja bolsas, Mude e Nathalia Canamary joias.

Agda Sueld - proprietária da Jinja
Agda Sueld – proprietária da Jinja – foto Ethi Arcanjo

Proprietária da Jinja, Agda nos contou que esse é o primeiro evento do estilo que sua marca participa, apesar da experiência em feiras voltadas exclusivamente para a venda direta, ou seja, para o consumidor final. A importância, para ela, foi a abertura para o mercado de atacado, que é o foco da marca para 2018. Durante o evento, a Jinja estabeleceu vários contatos comerciais no Nordeste e mais alguns compradores do Estado. A participação da marca também visava despertar o interesse em possíveis franqueados.

Algumas das joias expostas na Feira - arquivo pessoal
Algumas das joias expostas na Feira – arquivo pessoal

Já a arquiteta e designer de jóias Nathalia Canamary contou que seu ateliê já esteve em outros eventos do estilo em São Paulo, mas que no Estado foi a primeira vez. Para ela, a importância desse evento é mostrar que o Ceará produz moda: “fazer parte da Ceará Fashion Trade é estar dentro das marcas que se destacam nesse cenário”, contou. Com a visita de lojistas e outros profissionais da moda de vários estados do Brasil e de outros países, Natália acredita que o evento abrirá novas portas para sua marca. “Foi ótimo ver a receptividade das pessoas ao meu trabalho. Espero que a Feira cresça e possa abranger novos criadores nas próximas edições, fortalecendo a produção de moda local e atraindo ainda mais compradores para o Ceará”, completou.

Penteadeira_Amarela_mude
Neily, Lisie e Melissa Aragão, em frente ao stand da Mude – arquivo pessoal

Outra marca cearense foi a Mude, uma loja de atacado online que participou do evento pela primeira vez. Neily, Melissa e Lisie, mãe e filhas e proprietárias da marca, afirmaram estar muito felizes e gratas. Para Melissa, a Feira permitiu apresentar o propósito social da Mude: fortalecer e estimular o lado empreendedor das mulheres. Estar entre 70 expositores as fizerem perceber o quanto o evento cresceu, já que na primeira edição, quando ainda era Ceará Moda Contemporânea, só havia 9 expositores. “Nessa edição, percebi bastante troca entre expositores, uma parceria legal e a possibilidade de novos contatos, novos clientes!”, explicou Melissa. Como resultado, a Mude fortaleceu vínculos e fez novos parceiras, que irão ajudar a marca a inovar e a economizar, de acordo com Melissa.

E, assim, fico feliz de ver que, apesar de distante do mercado, ele continua crescendo, ao mesmo tempo que o Ceará está cada vez mais despontando no setor, apresentando marcas já consolidadas e outras marcas novas ao Brasil e ao mundo!

Se vocês quiserem conhecer mais sobre a Feira e essas marcas que têm um trabalho lindo deixo, aqui os links:

Ceará Fashion Trade – http://www.cearafashiontrade.com.br

Jinja – http://www.jinja.com.br

Mude – http://mudeporinteiro.com.br

Nathalia Canamary – http://www.nathaliacanamary.com.br

Deixe um comentário