Moda nas ruas: atitude, criatividade e inspiração

0
49
Registro de Léo Faria em São Paulo
Registro de Léo Faria em São Paulo

A verdadeira moda está nas ruas, né?! Ela é dinâmica, autoral, criativa. As cores, as tendências, os estilos de cada um, tudo isso é forma de se identificar e se expressar no mundo. Em dezembro, a Elle Brasil lançou seu primeiro livro exatamente sobre isso, o street style.

Com o título Street Style Book – Moda em Movimento (Editora Abril), a nova publicação reúne imagens de fashionistas a personagens anônimos que prenderam a atenção do fotógrafo Leo Faria nas ruas das principais capitais da moda, como Nova York, Londres, Milão, Paris e São PauloO livro tem a curadoria da diretora de redação da ELLE, Susana Barbosa.

328129_755999_elle_street_book___capa__final_ass_rgb___online_web_

Com essa novidade da Elle Brasil, resolvi pesquisar um pouco mais sobre o assunto. street style se tornou importante para as marcas justamente porque transforma a imagem de moda em algo mais acessível, mais ao nosso alcance, menos comercial e mais humano, longe das passarelas e revistas.

328129_756001_lnf_0015___ny_web_

É legal observar que, no street style, o que mais importa é o personagem retratado.  A essência é mostrar que cada um é único, no seu estilo, na mensagem que passar no mundo, que pode ser protesto, ironia, alegria. Enfim, a gente diz muito com o que veste, né?!328129_756009_lnf_5626___londres_web_

328129_756008_lnf_4710___paris_web_

Como surgiu o street style
Bom, dando uma pesquisada no Google (já que não sou especialista em moda, apenas curiosa), alguns blogs contam que o street style surgiu nos anos 70. O movimento punk e a popularidade do hip-hop fizeram nascer a moda urbana. “Influenciados por esses movimentos, os jovens da época começaram a vestir-se de uma maneira mais agressiva, como forma de expressão através da vestimenta. A partir desses dois estilos, foram nascendo cada vez mais ‘tribos’”, explica o Ateliê em Voga neste post aqui

328129_756007_lnf_4174___londres_web_

Com a chegada da internet, das câmeras digitais, tudo ficou mais fácil, as barreiras entre as tribos foram sendo derrubadas, os estilos foram se mesclando ou sendo mais difundidos. E isso foi visto cada vez mais nas ruas e nas redes. Essa forma de expressão, até então de anônimos, foi ganhando a atenção de marcas, blogueiros e personalidades.

Na minha busca, encontrei um artigo legal de 2012 da Ellie Pithers, à epoca editora de moda do Telegraph, com o título How to be a street style star” (Como ser uma estrela de estilo de rua).  Ele é antiguinho, mas interessante. Ela comenta sobre a revolução do street style e como isso influenciou o jornalismo de moda.

“Já não são os conjuntos cuidadosamente editados de editores de moda e celebridades, algo de uma maravilha de um dia – estar melhor vestido neste dia e idade significa deixar uma pegada on-line impecável que traça seu registro sartorial infalível” (tradução livre).

Leo Faria em Paris
Leo Faria em Paris
Leo Faaria em São Paulo
Leo Faria em São Paulo

Nas grandes semanas de moda, por exemplo, a gente já sabe que os convidados não podem ficar só focados nas passarelas, né?! Eles precisam escolhem looks especiais para “desfilar” nas calçadas e garantir cliques dos fotógrafos de plantão. No fim do texto, a Ellie, inclusive, deu umas dicas de como ser notada nas ruas e gerar bons cliques. Como por exemplo, cores brilhantes (laranja, fúcsia) criam boas imagens ou aposte em três tendências de uma vez no look. 

Leo Faria em São Paulo
Leo Faria em São Paulo

Valem a visita e uma boa vista

the sartorialistO clássico dos sites de street style é o The Sartorialist. O fotógrafo americano Scott Schuman retrata os mais diversos estilos pelas ruas do mundo e já publicou três livros com os looks de famosos e transeuntes anônimos. O fundador conta que, em 2005, a ideia foi criar um diálogo bidirecional sobre o mundo da moda e sua relação com a vida cotidiana. E deu supercerto. As fotos são apaixonantes. Os detalhes do estilo de cada um e como encaram a câmera são hipnotizantes.

Além do The Sartorialist, existem centenas de blogs e livros de street style. Após uma pesquisa e uma vista na minha lista de favoritos, segue uma seleção para quem quer se inspirar, estudar e conhecer mais “a alma encantadora das ruas” pelo mundo:

RIOetcRIOETC 2É um dos meus preferidos e totalmente aplicável à nossa realidade. O site foi criado em novembro de 2007 pela consultora de moda Renata Abranchs e pelo jornalista Tiago Petrik. A maioria dos registros é no Rio de Janeiro, aquela cidade com uma energia única e maravilhosa. Adoro as fotos na época do carnaval! É tanta gente estilosa, tanto retrato lindo. Com dez anos de história, eles chegaram à marca de 15 mil personagens retratados no Brasil e em 15 países visitados. O RIOetc já lançou três livros com uma seleção de fotos. http://www.rioetc.com.br/

STEAL THE LOOKsteal the lookNão é exatamente um conteúdo de street style. É uma plataforma de conteúdo de moda e beleza comprável no Brasil. Com mais de 2 milhões de visitas mensais, o site é atualizado diariamente e, em muitos dos posts, traz fotos street style de influenciadoras, celebridades e anônimas com tendências e inspirações pelo mundo (tudo bem que sempre tem aquela propaganda para alguma marca). http://stealthelook.com.br

ELLE BRASILelle brasilJá que contamos no início do texto, o próprio site da Elle Brasil e o perfil no instagram trazem muitas fotos de street style. https://elle.abril.com.br/

WHO WHAT WEARwhowhatwearÉ plataforma de conteúdo com ênfase em tornar a moda e estilo acessível. Foi criado em 2006 por dois antigos editores da revista ELLE, Katherine Power e Hillary Kerr, e está localizado em Los Angeles. No site, tem uma seção especial de street style. http://www.whowhatwear.com/section/street-style

FACEHUNTERfacehunter 2Este foi uma novidade pra mim, descobri nas pesquisas para esse post. Você não vai encontrar fotos de figuras conhecidas porque o Yvan Rodic, o próprio facehunter, fotografa a diversidade da cultura e da beleza de cada lugar que visita. A gente acaba viajando com ele para o local. Os registros são lindos e a prova de que moda é expressão de identidade e história. http://www.facehunter.org/

Deixe um comentário